O sucesso da produção agrícola depende, dentre outros fatores, da disponibilidade de nutrientes de forma equilibrada para as plantas. Apesar de requeridos em quantidades menores, os micronutrientes desempenham papel essencial na obtenção de altas produtividades.

O cobre é um desses elementos essenciais às plantas, pois desempenha três tipos de funções no metabolismo vegetal:

  • Nutricionais, ao participar da síntese de proteínas e do metabolismo dos carboidratos;
  • Fisiológicas, ao regular processos como a fotossíntese e a respiração;
  • Protetivas, por meio de sua atuação na proteção interna e externa das plantas.

A proteção interna oriunda do íon cobre ocorre por meio de sua participação no mecanismo de defesa induzida da planta. Isso engloba mecanismos como a produção de lignina (que resulta no espessamento da parede celular e gera maior dificuldade de penetração dos patógenos) e a síntese de proteínas relacionadas à defesa, como enzimas hidrofílicas e fitoalexinas, que são compostos químicos com propriedades antimicrobianas, produzidos pelas plantas imediatamente após sua infecção por microrganismos (tais como bactérias ou fungos), de forma a dificultar seu crescimento e propagação.

A proteção externa conferida pelo cobre deve-se ao efeito letal do íon Cu2+ aos esporos e ocorre porque a absorção desse elemento e seu transporte para as mitocôndrias bloqueia a respiração celular, além de gerar microlesões na parede celular dos esporos, provocando a perda de sais – ambas as reações levam o fungo à morte.

Além de todas essas funções, o cobre possui importância ímpar para plantas leguminosas, pois auxilia a fixação simbiótica de N2, sendo requerido nos nódulos para o pleno funcionamento desse processo. Plantas deficientes em cobre apresentam folhas jovens murchas e enroladas, tornando-se quebradiças. Além disso, ostentam ondulações, ficam voltadas para baixo e com nervuras salientes na parte inferior, o que leva à inclinação de pecíolos e talos. Finalmente, apresentam clorose, resultando em folhas pálidas ou amareladas. Por outro lado, plantas com adequado teor de cobre são bem desenvolvidas, com boa estruturação e crescimento e apresentam maior produtividade e qualidade de produção.

Dentre os micronutrientes, o cobre é o menos móvel, devido à sua forte adsorção aos coloides orgânicos e inorgânicos do solo. Na matéria orgânica, o cobre é retido principalmente pelos ácidos húmicos e fúlvicos, formando complexos estáveis que podem levar à deficiência em solos com elevado teor de matéria orgânica  como os de várzea ou de plantio direto.

Assim, a aplicação de cobre via foliar apresenta-se como opção interessante para manter não só o teor adequado do nutriente dentro das plantas visando ao desempenho das funções nutricionais, fisiológicas e de indução do sistema de defesa, como também uma ferramenta de manejo para garantir sempre a cobertura externa das folhas e a proteção contra patógenos.

 

New Copper: a fonte de cobre bioativo da Multitécnica

 O New Copper é um fertilizante foliar da linha Multifol, que contempla os produtos especiais da Multitécnica, elaborado especialmente para o fornecimento de cobre às culturas. Sua formulação combina as características que garantem máximo aproveitamento dos benefícios da aplicação de cobre: é fonte nutricional do micronutriente, garante máxima cobertura das folhas (devido ao tamanho das partículas do produto) e grande residual de ação pelo tempo que o produto permanece exposto na superfície das folhas.

É um fertilizante foliar com fonte de nitrato de cobre bioativo que atua na nutrição vegetativa, podendo intervir no processo de indução da resistência da planta. O New Copper tem ótimo efeito na proteção e auxílio no manejo integrado de doenças, além de ajudar no controle de fatores oriundos de estresses ambientais.

Além da ação direta do cobre, os aminoácidos presentes na sua fórmula desempenham funções fundamentais para a tolerância das plantas às situações adversas ao longo do ciclo, uma vez que são precursores de hormônios e moléculas responsáveis pela resistência a diversos tipos de estresses, sejam eles bióticos ou abióticos.

 

Benefícios e aplicação

Devido à natureza do nitrato de cobre, o mesmo atua inicialmente no controle fungistático dos fungos por contato com o cátion Cu2+. Por estar complexado com aminoácidos, permanece por mais tempo na superfície das folhas, não ocorrendo queimas ou fitotoxidez, mantendo, assim, um maior tempo de residual no exterior da planta. Como o cobre está complexado com aminoácidos específicos com a função que estimula a produção das fitolexinas (anticorpos da planta), uma vez absorvido exerce a função de controle e proteção interna.

        O New Copper pode e deve ser utilizado em todas as fases em que se necessita de controle fitossanitário das plantas. Deve ser aplicado isoladamente e/ou intercalado entre os tratamentos com os fungicidas triazois e estrubirulinas, ou mesmo junto com os mesmos, auxiliando no controle fitossanitário.

        Sempre é bom salientar que, embora o cobre esteja complexado (e, assim, protegido) para não ocorrência de fitotoxidades, é expressamente recomendado que sempre se utilize as doses recomendadas para cada cultura. No caso de a cultura não ter indicação no rótulo, é recomendável procurar um profissional habilitado.

Os resultados de campo confirmam a eficiência da tecnologia existente na formulação do New Copper:

 

Grupo Multitécnica | Departamento de Comunicação e Marketing

Deixe seu comentário

Rolar para cima